sexta-feira, 26 de abril de 2013

Por uma vida com mais "SIM"

Por uma vida com mais “SIM”

  Quem me conhece, sabe: desde os meus 3 aninhos de idade que eu sou fã da Sandy. Naquela época, ela fazia dupla com Júnior, que foi meu primeiro amor platônico. Acompanhava a carreira delas assiduamente, ia aos shows quando meu pai permitia e colecionava tudo.

  Eles cresceram, eu fui crescendo junto, e a admiração permanecia. Como a maioria dos fãs, chorei, 5 anos atrás, quando eles anunciaram o fim da carreira juntos. A partir daí, foi aquela expectativa para ver o que vinha por aí.

  Júnior logo iniciou novos projetos, já extintos, como a Soul Funk e a Nove Mil Anjos. Encontrou seu caminho na companhia do DJ Júlio Torres e do Músico Amon Lima, formando a Dexterz.

http://blahcultural.com/wp-content/uploads/2013/04/sandy-sim-2.jpg

  Sandy permaneceu reclusa e só após 3 anos lançou seu primeiro trabalho solo, todo autoral, o “Manuscrito”. Viajou com ele por 3 anos. E eu, como fã que ainda sou, fui aos 3 (escrevi sobre eles aqui também!…).

  No ano passado, a cantora começou a preparar a nova turnê e liberou 5 músicas, em um EP.

  “Aquela dos 30″ – Fala dos anseios e crises de quem esta chegando lá, como a própria Sandy, que completou a idade em janeiro, dia 28. E que eu, com meus 25, já me identifiquei; “Tantos planos eu fazia, eu achava que em 10 anos viveria uma vida e não me faltaria tanto pra ter. Tenho sonhos adolescentes, mas as costas doem. Sou jovem pra ser velha e velha pra ser jovem”.

  “Olhos meus” – Umas das composições mais lindas e emocionantes que a Sandy já fez. O piano dá atmosfera melancólica para o tema. “Sequem-se as lágrimas, sequem-se as mágoas, minha alma agora quer sorrir. Cessem as dores e feriadas de amores, minha alma agora quer sorrir…”.

  “Segredo” – Outra belíssima canção, em parceria com o músico e marido da cantora, Lucas Lima, e embala as lembranças de um amor antigo, mas que ainda dói; “Me lembro do teu corpo e que canto teu. Há mais do que eu sei tão vivo em mim…”.

  “Saudade” – Composta por um pianista, ex-professor e amigo da Sandy, Dennis Nassar. Belíssima canção, com um arranjo muito bem estruturado e muito bem interpretado por ela. “Ah, saudade, em breve eu retornarei e você vai sumir…”.

  “Escolho você” – Com um arranjo super envolvente, é uma das músicas mais lindas, que gruda fácil e dá vontade de ouvir várias vezes. Na canção, um dos trechos dá nome ao disco “Quem vive de princípios, não tem meios nem fins”.

  No dia 13 de abril, Sandy iniciou sua nova turnê, SIM, em Vitória, Espírito Santo. Na ocasião, ela cantou duas inéditas: a que dá nome a turnê, “SIM”, e “Ponto Final”.

  Logo que ela divulgou o nome da turnê, a primeira coisa que eu fiz foi dá um suspiro e pensar. “É tudo que eu preciso, uma vida com mais sim”. Como foi a minha primeira referência como artista, como personalidade e tudo mais, é como se eu tivesse sempre em sintonia, me identificando com tudo. Ela canta todos os meus momentos. Pra ela, mera coincidência, afinal, todos os fãs devem dizer o mesmo. Mas pra mim isso representa muito.

http://blahcultural.com/wp-content/uploads/2013/04/sandy-sim-1.jpg

Enfim, vamos à canção

  Quando eu ouvi, por tudo que eu descrevi aqui, eu me emocionei. Um trechinho, que os fãs de Vitória divulgaram: “Eu disse sim pro mundo/ Eu disse sim pros sonhos e pra tudo que eu não previa/ Sim pro inexplicável/ Eu disse, sim, eu caso/ Eu disse sim pra tudo que eu podia/ E eu podia mais do que eu sabia”.

  No dia 21 de abril, último domingo, ela trouxe a turnê para o Vivo Rio, no Rio de Janeiro. E adivinha quem estava lá??!! Ainda levei uma amiga, Carol, que nada conhecia do novo trabalho da Sandy, mas que eu queria influenciar (para o bem).

  O show, marcado para às 20h, começou com 20 minutos de atraso. Ela abriu com “Aquela dos 30″. Cantou as músicas do EP, exceto “Olhos meus”, o que eu achei uma pena… “Pés Cansados”, “Perdida e Salva”, “Ela/Ele”, do CD anterior, “Manuscrito” e releituras de outros artistas; “Se Deus me ouvisse” (em homenagem ao pai, Xororó), “Casa” (Lulu Santos), “All Star” (Nando reis), “Bad” (Michael Jackson), “Águas de Março” (Elis Regina e Tom Jobim), “Idaro” (Nerina Pallot) e “Angel” (Sarah Mclachalan). Essa última ela cantou para o Júnior no último show que eles fizeram como dupla, em São Paulo. Eles estavam muito emocionados e se abraçaram no palco, ajoelhados e chorando. Ela lembrou desse momento.

 http://blahcultural.com/wp-content/uploads/2013/04/sandy-sim-3.jpg

  É meio óbvio dizer que eu chorei nesse momento? E com “Se Deus me ouvisse” também.

  Diferente da turnê “Manuscrito”, onde ela tocava alguns instrumentos no palco, como pandeiro, percussão e piano, nesse ela não tocou nenhum. Talvez por isso ela estivesse mais solta; dançou muito, o tempo todo. O cenário está mais simples, sem aquela decoração intimista; apenas um tapete, o brilho fica apenas por conta da sofisticada iluminação.

  Brilho? O que brilha de verdade, além da Sandy, são os músicos da banda dela. Talentosíssimos! São esses: Eloá Gonçalves, Maurício Caruso, Edu Tedeschi, Alex Heinrich e Delino Costa.

  Da carreira com Júnior, duas músicas, que toda a plateia vibra e canta aos berros: “Não dá pra não pensar” e “A Lenda”.

  O show teve 1h40min de duração, mais ou menos, e eu achei menos intimista e mais animado que os outros. A Sandy estava visivelmente feliz e isso deu um up a mais nesse início de turnê. É notório o quanto ela se desenvolveu como artista solo, o quanto ela aprendeu a ter domínio daquele palco enorme “sozinha”. A cumplicidade dela com a banda também é muito bom de se ver.

  Quanto as composições, para quem não sabe, Sandy é formada em Letras, apreciadora de poesias, que ela escreve desde adolescência. Por isso as canções impecáveis, dotadas de sensibilidade, riqueza, bem fundamentadas. Poesias cantadas! Todas elas mostram a maturidade, o modo como ela cresceu como cantora, compositora e mulher. Sim, mulher. Cresceu e até arrisca passos e atitudes discretas, mas que beiram a sensualidade meiga que possui.

  Lucas Lima, cantor (vocal e violinista da Família Lima), produtor, arranjador, compositor, Trilhista e dono da produtora B.A. Start, além de assinar algumas músicas com a Sandy, continua na direção musical do Show/CD. Ah, aproveitando, durante a apresentação ela divulgou que o CD completo chega as lojas no início de Maio. \o/\o/\o/

  Os shows continuam a todo vapor e os próximos que vão poder conferir são os fãs de Goiânia, no próximo sábado, dia 27 de abril, no Teatro Rio Vermelho. Dia 17 de maio, o show é em São Paulo, mas os ingressos JÁ esgotaram! Aos que se anteciparam e compraram, aproveitem! Vai ser no HSBC Brasil. Depois vem Uberlândia, Minas Gerais, dia 08 de junho, no Center Convention.

  Não deixem de prestigiar, esta valendo muito a pena! Palavra de quem aprecia a boa música, não somente a Sandy! ;)

"SIM"



Fonte: Bah Cultural