segunda-feira, 29 de abril de 2013

De repente 30


  Em fase mais segura, como assim classifica, a cantora Sandy faz show hoje em Goiânia com a segunda turnê solo. Intitulado Sim, o show tem músicas autorais, inéditas, releituras e até sucessos da dupla Sandy e Júnior. Mas o novo trabalho, que já passou por Vitória (ES) e Rio de Janeiro (RJ), chega ao público antes mesmo de o CD, de mesmo nome, estar finalizado.

  A compositora e intérprete da autobiográfica Aquela dos 30 traz ao Teatro Rio Vermelho na noite deste sábado, a partir das 21 horas, um estilo menos popular – em comparação com o que apresentava na época da dupla – e bem diferente do último show que fez na capital goiana, quando interpretou sucessos de Michael Jackson, em dezembro de 2011.

  Cada vez mais autoral, Sandy canta Sandy, artistas que admira como Nando Reis, Tom Jobim e Lulu Santos e faz homenagem ao pai, Xororó, com Se Deus Me Ouvisse. Tudo com novos arranjos. Em Sim, as canções vão da melancolia de uma mulher adulta até o entusiasmo de uma adolescente, ainda presente nas composições da artista – como na inédita Ponto Final.

  Porém, os fãs de longa data vão à loucura e se empolgam quando o set list chega aos sucessos de Sandy e Júnior. Para relembrar, o show traz Não dá Para Não Pensar em Você e a A Lenda. Dá pra acompanhar também os sucessos solo de Manuscrito, como Pés Cansados e Perdida e Salva.

Ao teatro

  Outra diferença que o público goiano vai sentir é que nas últimas passagens de Sandy por Goiânia em estádios e casas de show o público cantava e pulava, literalmente, com hits exaustivamente repetidos em programas de TV e no rádio. Agora, o ambiente do teatro e a proximidade com a plateia caracterizam a apresentação da cantora. Mais intimista e até mais Sandy.

  O ‘tamanho’ da atual carreira é uma escolha feita por ela. O título do segundo álbum solo e da nova turnê reafirma essa fase positiva de escolhas e afirmação artística. Sim, para o mundo, para a vida. Com 30 anos e 22 de carreira, a artista se mostra mais otimista e segura sem se preocupar com os números que tanto marcaram sua trajetória. Em resumo, 17 milhões de discos vendidos, 1,8 mil shows, 240 músicas gravadas, 17 albúns e 11 turnês.

Ansiedade

  Mesmo com toda experiência, a ansiedade ‘artística’ fez com que Sandy lançasse no final do ano passado o EP Princípios, Meios e Fins, que é parte do novo CD, que tem lançamento previsto para maio. Em paralelo à turnê, ela finaliza os trabalhos em estúdio. “Saí muito feliz de Manuscrito, minha primeira turnê e responsável por me apresentar em carreira solo. Ela cumpriu seu papel e senti que estava na hora de trazer novidades, tanto pra mim quanto para o público”, explica Sandy.

  Cheia de vontades artísticas, a cantora – agora já mais acostumada aos palcos sem o irmão – fez questão de cuidar, como de costume, pessoalmente de tudo, tanto no álbum quanto no show. “Estou muito feliz e cheia de energia para produzir, criar, realizar. Tudo ao mesmo tempo, sim, mas no meu tempo”, comemora.

  Romi Atarachi, que já trabalhou com artistas como Lenine e Lulu Santos, assina a direção geral da turnê e Isabelle Bittencourt é responsável pela direção de arte e cenografia. Já o marido, Lucas Lima, assume a direção musical do espetáculo. No palco, a concepção visual tem tecidos fluidos, leves, transparentes e móbiles que finalizam a delicadeza de Sandy em Sim com projeto luminotécnico que lembra a estação das flores, a primavera.

Paralelo

  Em terceiro show com o novo trabalho, Sandy passa por Goiânia no momento em que comemora a finalização de outros trabalhos paralelos. Com participação em novela e atuação no loga Quando eu Era Vivo, que rodou no ano passado ao lado de Antônio Fagundes e Marat Descartes, a artista volta a exercitar o seu lado atriz.



Fonte: O Hoje