terça-feira, 29 de maio de 2012

O manuscrito de Sandy

  Em bate-papo com o JC, Sandy fala sobre nova turnê e álbum, o show em Bauru, seus novos projetos e até sobre seu casamento

 

 

  “Eu costumo compor minhas músicas escrevendo no caderno, não sou muito adepta ainda às tecnologias”. Esta foi uma das citações de Sandy reveladas ao JC que justifica o nome de seu mais novo álbum, Manuscrito. “O nome do álbum surgiu por isso, pelos meus manuscritos, pela forma de como surgiram minhas músicas”, contou a cantora.

  Sandy é uma das atrações mais aguardadas deste ano na cidade e promete fazer um show de grande repercussão por aqui no próximo dia 23 de junho (sábado), no Espaço Bauru. A apresentação está prevista para começar às 22h. E, para falar um pouco da carreira, da vida pessoal e de novos projetos, Sandy bateu um papo com o Jornal da Cidade, que divulga nesta edição a entrevista com a musa.

  A apresentação de Sandy em Bauru marca a retomada da turnê depois de alguns meses da artista dedicados aos projetos na TV (Superbonita, As Brasileiras, Fantástico, The Ultimate Fighter Brasil). Além de Bauru, estão previstos mais shows no Interior de São Paulo, em municípios como Paulínia, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, entre outros.

  Durante a entrevista, a musa ainda falou de sua volta ao cinema. Com previsão de estreia em 2013, Sandy será uma das protagonistas do longa “Quando eu era vivo”, do premiado diretor Marco Dutra e com produção RT Features. Além da turnê Manuscrito, a cantora voltará com o “Projeto Covers”, em que interpreta o repertório do ícone pop Michael Jackson. Confira a entrevista com a artista:


JC - Gostaria que falasse de seu mais novo trabalho, Manuscrito...
Sandy - Manuscrito foi um álbum que surgiu de uma maneira muita espontânea. As músicas todas são feitas por mim, é um álbum muito autoral. E costumo compor minhas músicas escrevendo no caderno, eu não sou muito adepta ainda às tecnologias. Então o nome do álbum surgiu por isso, pelos meus manuscritos, pela forma de como surgiram minhas músicas.


JC - Como será o show um Bauru. Há algo especial reservado?
Sandy - O show que estou levando para Bauru é inédito. A última vez que fui para a cidade eu ainda cantava com meu irmão. E este show que acontecerá em Bauru é o mesmo do DVD, oportunidade para a galera conferir de perto. Costumo colocar uma música ou outra que não está no repertório para fazer surpresa para o público, mas ainda não sei o que farei de diferente, vou pensar quando a data estiver mais próxima.


JC - Você vai cantar músicas da época em que você fazia dupla com seu irmão, Junior. Como é a sensação? Dá saudade?
Sandy - É gostoso, pois tenho uma saudade boa desta época que cantava junto a ele, que foi boa parte da minha vida. Eu já me acostumei sim à ausência do meu irmão. Mas no começo foi um pouco estranho, foi diferente para mim. Mas não fico triste, fico feliz, pois penso nas tantas coisas boas que fizemos juntos. Ao invés de lamentar, celebro aquilo tudo de bom que houve em nossa carreira em dupla. É mais uma celebração do que lamentação.


JC - Você participou de trabalhos na TV e agora retorna aos palcos. Como foi a experiência na TV?
Sandy - Foi uma delícia, uma surpresa grande, eu não esperava esses convites que recebi, não esperava fazer esses trabalhos que fiz recentemente na TV. Foi tudo muito diferente, foi um desafio e uma inversão de papéis. Eu normalmente sou a entrevistada e pude atuar como a entrevistadora, por exemplo. Fora que o resultado da crítica foi muito positivo e gratificante.


JC - Você está com projetos paralelos, entre eles a retomada no cinema e o Projeto “Covers”...
Sandy - O projeto de circuito cultural em que canto covers do Michael Jackson vai mesmo ser retomado. A gente vai se apresentar em cinco cidades diferentes, é uma ‘miniturnê’. Esse projeto na verdade foi muito bem-sucedido por onde passou, um sucesso de público, teve grande repercussão na mídia e por isso mesmo foi retomado. Para o filme “Quando eu era vivo”, estarei em gravação durante os meses de agosto e setembro. O longa é adaptação de um livro do Lourenço Mutarelli, que estou lendo e gostando bastante.
Mas farei tudo paralelamente. Farei o filme, a turnê de covers e a minha turnê, tudo ao mesmo tempo! (risos).


JC - Fale-me do seu casamento, está tudo bem?
Sandy - Está tudo ótimo, estou muito feliz com meu maridinho e fazendo muitos planos para o futuro. Minha família também está bem, assim como meu irmão.


JC - Você disse uma vez que percebe que as pessoas se sentem bravas pelo fato de constatar que você cresceu. E, muitas vezes, as pessoas acabam criando uma falsa imagem sua, criando um personagem. Isso ainda incomoda você? Você acha que as pessoas mudaram a concepção sobre você?
Sandy - Isso tem evoluído bastante nos últimos tempos. Depois que comecei a carreira solo, acho que o público, aos pouquinhos, está mudando a concepção que tem de mim. Eu já estou bem acostumada, pois tenho lidado com isso desde sempre, né. Algumas pessoas não perceberam que o tempo passou e para elas eu ainda sou uma “menininha”. Mas como disse, estou acostumada a lidar com esse tipo de coisa e, graças a Deus, desde que me casei, as pessoas começaram a perceber que cresci, que sou adulta, que já tenho 29 anos! E quero fazer meu trabalho justamente para as pessoas que estão dispostas a enxergar minha maturidade, que me veem sem preconceitos.

Fonte: JCNet