segunda-feira, 26 de julho de 2010

Entrevista : "Não sou a Lady Gaga" diz Sandy

Farta da patrulha que a cerca desde os 15 anos, cantora fala que não precisa mais de sucesso

SÃO PAULO - Sandy está sentada em um sofá branco entre três senhoras distintas, que são aplaudidas pela plateia a cada vírgula das frases que dizem. Elas falam de violência, que mulher não deve apanhar de homem jamais. E dá-lhe salva de palmas. Sandy não diz muito, o assunto é pesado. Uma mulher é advogada, a outra é delegada, e a outra é Hebe Camargo. "Homem que estupra tem que ser castrado", diz Hebe. Mais palmas. Sandy não se sente exatamente em casa. Afundada ali naquela poltrona durante a gravação do programa de Hebe Camargo, que iria ao ar na segunda-feira passada, no SBT, a cantora parece ter menos do que seus 27 anos oficiais. Sua voz é doce, seus olhos nunca têm raiva. Seria falta de atitude?

Eis a palavra que persegue Sandy desde seus 15 anos, quando cantava com o irmão Junior: atitude. Atitude para cantar, atitude para falar, atitude para ser alguém famoso, que geralmente namora, briga, fala o que pensa. Ao Estado, Sandy, em fase de lançamento de seu primeiro disco-solo, Manuscrito, fala das cobranças que a perseguem, diz que não precisa mais do sucesso que fez com o irmão Junior e analisa as duas Sandys que lhe rondam como fantasmas: a Sandy que nunca existiu e a Sandy que nunca existirá. "Não adianta, eu não sou rebelde, nunca precisei dessa rebeldia."

Sandy, quem é você?
Sou uma pessoa muito reflexiva, penso muito sobre tudo, gosto de discutir, de fazer indagações, perguntas que às vezes não têm respostas. Gosto muito desse lado mais abstrato da vida.

As pessoas esperam sempre uma Sandy diferente disso, não?
Antes de gravar este disco, tentei dar o mínimo de atenção para as expectativas, as influências externas. Eu precisava me ouvir, e é difícil quando você tem um monte de gente dando opinião. Gosto de ouvir o outro, mas gosto de ter o controle das coisas, controle sobre mim. Antes eu tinha esse compromisso com o sucesso, compromisso com o público, compromisso em vender. Agora não. Agora eu estou livre de tudo.

Público, gravadora, fãs, imprensa. Não se preocupa mais com isso?
Não, e isso é muito libertador. Eu tenho 20 anos de carreira, já vendi muitos discos, fiz shows para grandes públicos, provei o que tinha de provar. Eu não preciso mais provar nada, dei conta de manter aquilo, trabalhar como uma doida, estudar. Aquilo para mim está realizado, está cumprido.

Desculpe, mas o sucesso não é algo importante?
Não. E eu já não faço mais o mesmo sucesso que eu fazia com o meu irmão. Continuo sendo uma celebridade, todo mundo quer saber de mim, mas já faço menos sucesso hoje do que fazia.

E você fala isso com esse sorriso?
Claro, estou superfeliz. Agora estou aqui para me divertir.

Você diz estar na estrada desde os 7 anos de vida. Não perdeu muitacoisa com isso?
Na infância eu estudei, tive amigos e brinquei, mas não podia sair na rua, ir ao shopping com os amigos. Na adolescência também não, perdi privacidade. Não foi muito fácil. Quando tinha 15 anos, todos já queriam saber quem eu namorava. Mas eu quase não me lembro de quando não era famosa. Antes de eu virar a Sandy, já era filha do Xororó ou, como dizem alguns, a filha do Chitãozinho e Xororó (risos). Minha mãe me deu todas as oportunidades do mundo para eu voltar atrás. A cada renovação de contrato ela me chamava e dizia: "Tem certeza de que quer continuar fazendo isso?" E eu: "Mãe, pelo amor de Deus, tenho certeza, porque você está perguntando?"

Aí vem a adolescência e outro peso recai sobre você: atitude. As pessoas querem que você tenha mais atitude.
Eu não fui rebelde mesmo, assumo, eu não fui uma adolescente rebelde. Daqui a três anos eu terei 30 e não fiquei rebelde ainda. Eu tinha a vida que... Não precisava reivindicar nada, minha convivência com meus pais era fácil, tranquila, eu tinha liberdade. E se por um lado eu era criticada por ser comportada demais, por outro fui exemplo para famílias. As mães vinham dizendo: "Nossa, você é um exemplo para minha filha."

Mas isso não tem glamour.
Pois é, não tem glamour para as pessoas, isso é brega.

Aliás você tem pais que não se separam, você não briga com seu irmão, tudo que parece muito desinteressante para a mídia, não é?
Para a mídia e para o público, já que a mídia publica aquilo que o público procura. Não é interessante mesmo, pois é, minha vida é chata. Não tenho vida de artista, tenho vida de gente normal.

Existe um pouco de rock no seu disco novo, não é?
Sim, rock britânico.

Não é preciso rebeldia para fazer rock and roll?
Uma vez eu cantei a música Minha Alma, do Rappa, e no dia eu estava muito nervosa, não gostei da minha apresentação. Quando assisti depois, olhei aquilo e falei: "Puxa vida, pegada. Falta pegada." Realmente, acho que rock and roll precisa de pegada. Mas eu não tenho a menor vontade de fazer um disco inteiro de rock and roll. Eu não sou essa pessoa e eu não tenho essa pegada inteira que precisa ter.

É como se você fosse sempre uma menina. As pessoas vão te ver um dia com 27 anos?
As pessoas esquecem de perceber que eu cresci. Quando elas abrem os olhos e escutam de verdade, sem preconceitos, percebem que o som é outro, que a voz não é mais de menininha. As pessoas que não estão tão atentas não percebem, não me deixam crescer.

O que as pessoas não precisam mais esperar de você?
Não dá mais para esperar uma Sandy Lady Gaga, uma Sandy Beyoncé, dançando com bailarinos e microssaia top e um telefone na cabeça ou qualquer coisa assim. Essa não sou eu. O que você pode esperar é uma Sandy atrás do piano, cantando suas composições. Quem sabe até um projeto de jazz, de MPB. Não dá mais para esperar uma diva superstar americana. E só mais uma coisa: eu pensei de novo naquilo que você falou da rebeldia, talvez ser necessária para fazer rock... Essa coisa que eu falei da pegada... Você não imagina por exemplo a Gal Costa cantando um rock, não combina com ela o timbre, o jeito. Mas a gente também não imaginava o Caetano fazendo rock e ele gravou um disco de rock. Não, não é necessário ser rebelde para se fazer uma música desse tipo. Eu conheço um metaleiro que tem uma família incrível, que nunca foi rebelde, e no palco é o mais puro "sangue nos zóio".

Mas não é isso que você é, não é? Se tiver de interpretar uma música como Minha Alma, não tem onde buscar a raiva de que ela precisa.
Talvez eu tenha, mas não é isso que eu quero por para fora. Eu gosto de sentimentos mais melancólicos, mais sutis, mais delicados, mais ternos. Sempre que canto uma música mais romântica me arrepio, me soltava. É isso que me pega.